quarta-feira, 25 de outubro de 2017

VOCÊ JÁ OUVIU CORONA KINGS?


Leitores musicais, vocês estão preparados para novidade?

Hoje é dia de faixa por faixa com a Banda Corona e com lançamento do terceiro álbum da banda, “Death Rides A Crazy Horse”.

Corona Kings é uma banda de rock de Maringá (PR), que atualmente reside em São Paulo (SP), e é formada por Caique Fermentão (guitarra e vocal), Antonio Fermentão (bateria), Felipe Dantas (guitarra) e Murilo Benites (baixo). Fundado em 2012, o grupo vem se destacando na cena independente com shows frenéticos e cheios de energia. 
A banda paranaense apresenta obra com 12 faixas autorais em inglês. Gravado no Estúdio Costella e produzido por Alexandre “Capilé” Zampieri e Gabriel Zander, entre março e junho de 2017, o álbum conta com participações especiais de músicos da nova boa safra de bandas rock nacionais como Water Rats, Deb and The Mentals, Delvilish, Miami Tiger, Dead Fish e Stolen Byrds.

Vem comigo ver o faixa por faixa! 



As faixas de “Death Rides A Crazy Horse” por Caique Fermentão

 Boyhood:  A música de abertura do disco fala sobre envelhecer, o quanto isso é difícil e já mostra a cara nova da banda, com uma pegada mais rock'n roll.

Death Proof: Essa música foi inspirada no filme com o mesmo nome do diretor Quentin Tarantino. É como se fosse o assassino do filme cantando.

With You: Participação do Bi Free (Deb and the Mentals, Water Rats). A música mais rápida do álbum. Escrevi carinhosamente para todas as pessoas que falam mal umas das outras pelas costas.

Try it Out: Tem participações da Deborah Babilônia (Deb and The Mentals) e do Alexandre Capilé (Water Rats, Sugar Kane). Conta a história de um boxeador e resumidamente fala sobre cair mas sempre ter força pra levantar.

Inner Giant: Participação do Ricardo Mastria (Dead Fish, Sugar Kane) no solo de guitarra e do Alexandre Capilé (Water Rats, Sugar Kane) nos vocais. Fiz essa música pra todos que já sofreram com um relacionamento abusivo.

Profit Song:  Fala sobre a perversão da igreja e de seus líderes corruptos, como manipulam seus seguidores por puro benefício próprio.

Rocket King: Participação do Paulo Ratkiewicz (Devilish). Essa música fala sobre abdução alienígena e abre o "lado B" do disco.

Broken: Essa música fala sobre como a nossa geração vive de aparência. Na tela do celular tudo lindo, por trás do filtro do Instagram ninguém é perfeito.

Hollow: Participação da Carox (Miami Tiger). Fala que no final das contas todos somos vazios, sabemos disso e no fundo até gostamos. 

Up to You: Música que inspirou o nome do álbum. Nela temos a morte cantando. Dizendo que não adianta correr nem se esconder, o mundo dá voltas e um dia ela te pega.

My Place: Participação do João Manoel (Stolen Byrds). Fiz essa música pra uma pessoa muito especial. Fala que o que for pra ser, será.

Nowhere Man: A música que fecha o disco conta a história de um mercenário do espaço lutando contra a própria loucura, sozinho no meio do nada.

Vamos parar com esse BLÁ, BLÁ, BLÁ e curtir o som?


Gostaram da banda?  Então, vem comigo acompanhar todas as novidades, aqui ô:

Prometo que volto com mais novidades hein!

Aquele abraço apertado e um beijo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário