quinta-feira, 8 de setembro de 2016

ENTREVISTA COM BANDA BRASILIENSE.


Leitores musicais curiosos (as), tudo bem com vocês?
Hoje estou cheia de novidades. Primeiro vamos conhecer um pouco sobre a banda Brasiliense e depois vamos conferir um papo bem descontraindo que tive com a banda sobre o novo EP “Lista de Lily”, homenageando o músico Caetano Veloso.
A banda nasceu em outubro de 2014, começou como uma jam entre amigos que curtiam o som e queriam tocar algo mais livre dos padrões atuais. A coisa foi tomando forma e hoje quatro integrantes formam a Lista de Lily: Tynkato (guitarra, synth e voz), Dolfits (sintetizadores e voz), Tufinha (baixo) e Dan Abreu (bateria).

O grupo já tem dois EPs lançados “Amizade” (abril/2015) e “Segorna” (agosto/2015) e segue misturando estilos em sua música, desde a psicodelia experimental de artistas como Tame Impala até clássicos e standarts do rock como Led Zeppelin e Os Mutantes. É música brasileira com uma pitada nonsense.

É uma grande honra que recebo banda brasiliense aqui no blog. Curiosidade de fã. Por que o nome "Lily" ?
Obrigado, Maah! Prazer todo nosso falar com você! Basta dizer que Lily é uma menina sapeca lá do sul que fez uma lista bem curiosa. (risos)

Vocês acabaram de lançar o terceiro álbum da carreira da banda. Qual a importância de cada trabalho na carreira da banda? E qual o álbum xodó? 
Cada EP foi um aprendizado. Desde o início a Lista se propôs a sair dos padrões sonoros e estéticos que ouvimos por aí, e do Amizade pro SEGORNA essa inquietação continua, e o Como Caetano, por ser o caçulinha, ainda é nosso xodó, apesar de curtirmos tocar todas as canções dos outros EPs também.

Como surgiu a ideia de lançar o EP? E por quê o nome "Lista de Lily"?
 A inquietação não é só em rompes padrões musicais mas também de estar sempre produzindo. A gente passa horas no estúdio Vai Tomar no Cover (projeto que fazemos aqui em Brasília ocupando espaços públicos com música autoral) tocando, fazendo jams e disso surgem mil ideias que viram músicas. Quando temos um bom material lançamos. Foi o que aconteceu com o Como Caetano.

Um linda homenagem para Caetano Veloso. Se tivesse oportunidade o que diriam para o músico? E como foi a escolha de escolhe ele para ser homenageado?
Homenagear Caetano veio de uma das músicas do EP, a Como Caetano Disser. Nós, e acho que a grande maioria das pessoas que não se contentam com o raso e cavam mais fundo, não são normais, de perto então, e essa música fala disso, de ser quem a gente quer ser, de não se render ao pronto, à fórmula. Foi uma brincadeira despretensiosa da nossa parte. Todos nós ouvimos muita música brasileira, obviamente, e Caetano é um dos caras mais inquieto e criativo até hoje, se reinventa, não se apega a padrões e estéticas. Se tivéssemos a oportunidade de dizer algo pro Caetano seria um sonoro Obrigado por tudo o que ele fez e faz pela música brasileira. 

Quais outros músicos brasileiros que vocês homenageariam? 
Gil e toda a tropicália, todos os novos compositores, tem muita gente boa. Melhor não citar nomes pra não nos comprometer. (risos)

Queremos a opinião da banda. Como vocês veem o cenário musical atualmente? 
Essa é a pergunta que não quer calar. Se de um lado o mainstream vem massacrando nossos ouvidos e público, estabelecendo essa preguiça e desinteresse coletivos em buscar música nova, nossos colegas artistas de hoje estão insanos produzindo música nova, de excelente qualidade, boas composições, arranjos, e tudo que a gente ama ouvir: música boa. Então diríamos que se tivesse um empurrãozinho da mídia de massa pro lado do mercado independente, fazendo chegar um pouco mais a nossa música à esses ouvidos "preguiçosos" acreditamos que a cena musical estaria melhor. Mas não reclamamos, apenas seguimos fazendo o que amamos pra tocar as pessoas com nossa música. Inclusive temos um projeto no qual levamos musica pra rua. Chama-se Vai tomar no Cover ja fizemos 35 edições. Funciona assim: nosso vocalista tynkato tem uma caminhonete dai carregamos nossos equipamentos e vamos até as pessoas, montamos e tocamos. Shows pequenos coisa rápida.

Quais as influências musicais da banda? O que inspira vocês na hora de compor?
Acredite, nossas composições são feitas da forma mais aleatória possível, jams, jams, jams, a gente vai costurando o que nos agrada mais, o que nos deixa feliz pra tocar e depois Tynkato escreve as letras. Ele é nosso maestro, o cara que tem a sensibilidade da produção. E assim, uma a uma as músicas vão surgindo ou indo pro nosso limbo criativo pra outra hora serem usadas de outra maneira, com outros arranjos, texturas, melodias. E dessa forma, tudo o que ouvimos acaba nos influenciando quando estamos nos divertindo fazendo nossas jams. Tudo sem pretensão de criar o próximo hit, só na nossa verdade mesmo.

Entrevista chegando ao fim. Quais as próximas novidades da banda?
Acabamos de lançar o Como Caetano e estamos em tour pra divulgar esse EP. Estaremos em Setembro no Sul, Outubro em São Paulo, Novembro no Nordeste e com o Vai Tomar no Cover, nosso projeto, temos movimentado vários shows e festas no DF. Junto com o Como Caetano também lançamos o clip de 'Não Vou Demonstrar', tudo done by ourselvs.

Qual mensagem vocês deixam para os fãs e leitores do maah music? 
Primeiro nosso obrigado por dedicarem um pouco do seu precioso tempo para nos conhecer melhor. Acessem nossa page no Facebook  e conheça nossa lojinha. Escutem nosso som nas plataformas digitais Soundcloud e Spotify e, se quiserem levar pra casa o Como Caetano com um das nossas capas sensuais, é só escrever Inbox lá na page que combinamos de enviar.

Vamos parar de blá,blá, blá e curtir o som da banda? Dá o play! 



Gostaram? O que acharam da banda? Deixe seus comentários.

E não deixe de acompanhar a banda através das redes sociais.

E amanhã? Te espero aqui hein!
Abraço gigante e aquele beijo.

@maahmusic

Nenhum comentário:

Postar um comentário