Oi leitores viciados em música, tudo bem com vocês?

Meu convidado hoje e Ciro Cruz,
baixista brasileiro, natural do Recife, muda-se para o Rio de Janeiro na década
de 80, onde dá início a um percurso de atuações ao vivo com diversos artistas
brasileiros (Fagner, Ed Motta, Banda Black Rio, Gabriel o Pensador…). Tem um
currículo de gravações com mais de 100 álbuns.
Ciro muda-se para
Portugal em 2005. Integrou e dirigiu a banda Rock in Rio em três edições do
Festival. Actuou com Rui Veloso, Jorge Palma, Expensive Soul, Sara Tavares,
Incógnito, Omar, Maria Rita… 
O músico foi um dos
fundadores  da banda The Black Mamba, cujos álbuns “ The Black Mamba “ e
“Dirty Little Brother” têm o selo Farol Música.
E atualmente apresenta os
álbuns “Groove Inside” e “Mandala” em formato digital;  álbuns que tiveram
edição física em 2014 e 2015 respectivamente.
E claro que eu não podia perde a oportunidade de
conversar com Ciro, confira agora a entrevista exclusiva com o músico.

Ciro Cruz é com muita felicidade e honra que
recebemos você aqui em nosso site. Conte para os leitores  do que  você mais senti mais saudades dos anos 80? Quais
musicas mais te marcaram? 
Sinto saudades dos
estúdios, verdadeiros estúdios com gravadores de fita, da forma que era feita a
música. Não vou citar uma música, mas sim algumas bandas como Barão Vermelho,
Titãs, entre tantas boas bandas dessa época.
Na sua opinião. Qual a diferença entre o cenário
musical daquela época para os dias de hoje?
 As diferenças em
minha opinião está mais na forma de divulgar a música. Antes só havia um
caminho: Gravadora e tocar nas rádios. Hoje em dia todos podem mostrar os seu
trabalho por diversos meios de comunicação disponíveis.
Hoje você mora em Portugal, mas já viveu aqui no
Brasil. Qual a diferença entre o cenário musical entre os dois países?
Acho que a grande
diferença está relacionada com a extensão geografia e a grande diferença do
 número de habitantes. Só isso já faz com que o mercado de música no
Brasil movimente muito mais dinheiro que se traduz em mais discos vendidos,
mais shows e por aí vai…
Vamos conversar sobre os dois álbuns recém laçados.
Como foi o processo de gravação? Quais influências musicais que cada música
tem?
Eu gravei os dois álbuns
ao vivo em estúdio. Tudo é tocado de verdade sem cortes ou edições.
Quais são as próximas novidades? Pensar em volta
para o Brasil para fazer show? 
Sim, o Brasil está sempre
em meus planos. Talvez aconteça alguma coisa em São Paulo no próximo mês de
setembro.
Entrevista no final. Qual a mensagem que você deixar
para os leitores e  Maah Music e  seus fãs?
Que ouçam sempre mais
música que é uma  linguagem universal , que une as pessoas. A música só
faz bem! 
Ouça agora os singles “Mistura Fina da Lagoa” e
“Mandala”. Dá o play!


Gostaram?  O que vocês acharam? Deixe seus comentários.
Apaixonada
pelo trabalho do músico, que tá lindo demais.
Amanhã tem
mais novidades aqui no site. Não percam!
Abraço e um
beijo, nas ordens diferentes para ser diferentona (risos)
@maahmusic

DEIXE SEU COMENTÁRIO