Leitores musicais, tudo bem com você?

Faz um bom tempo que não venho aqui no blog né?

Tenho duas novidades para vocês. A primeira é que o
blog terá uma cara nova, e a segunda é que fiquei distante por questões
pessoais, mas nessa sexta teremos muitas novidades, entrevista e dicas. Não
percam! #ficaadica.
Para continuar com as novidades boas aqui no Maah
Music.
Hoje eu tenho mais que uma dica; eu tenho na verdade um
conselho para vocês que gostam de ouvir música de qualidade. Está certo que só
tem a galera boa aqui no blog, mas hoje eu vou mostrar uma das cantoras que
comecei a ouvir e não consegui mais parar suas musicas.
Lilian é cantora e compositora, catarinense  e que atualmente morar no Rio de Janeiro desde
2011.
No
começo  desse ano , a cantora fez uma  campanha de financiamento coletivo
(crowdfunding) #EuApoioaLILIAN no site “Benfeitoria” financiou o primeiro disco
da cantora. 
“Motivo”
foi o título escolhido para o disco, um EP autoral com cinco canções – Motivo,
Égide, Branquela, De amor e Viajante. Um repertório afetivo, confessional e
poético. O nome do álbum, além de ser nome de uma das músicas do disco, foi
inspirado no poema homônimo de Cecília Meirelles.
Linda voz e canções que cativam, uma receita que me conquista beeeem facinho. Tive a honra de conversar com a cantora. Confira agora a primeira parte dessa entrevista insana.


. Primeiramente gostaríamos
de agradecer por ter concedido entrevista para os leitores. Como surgiu seu
amor pela música Lilian? Seus familiares sempre te apoiarem?
Olá leitores da MAAH MUSIC eu que agradeço muito a oportunidade de
falar com vocês! Todas as oportunidades de espalhar minhas cantorias pelo mundo
são valiosas pra mim! <3 Meu amor pela música vem desde que me entendo por
gente, sempre quis ser cantora! Não tenho músicos na família, até os 10 anos
morava na zona rural de uma cidade com 13 mil habitantes no sul de Santa
Catarina. Imitava a Xuxa, cantava, dançava e transformava os objetos em
microfone. (rs) Minha primeira apresentação foi na minha primeira oportunidade,
já morava na cidade e ganhei um festival de talentos na escola com 11 anos.
Nunca mais parei.

. Agora em 2015, você fez uma
campanha de financiamento coletivo. O que você acha desse movimento?
Eu vejo com muito otimismo o momento atual do mercado da música,
meu disco foi financiado por fãs, mais de 200 pessoas participaram da campanha
e foram cerca de 250 discos vendidos antecipadamente. Acho incrível contar com
quem gosta do trabalho pra realizar um projeto. Já venho pesquisando e
estudando sobre crowdfunding há uns 2 anos e esperava a hora certa de lançar o
meu projeto, fiquei muito satisfeita com o resultado e pretendo usar o sistema
novamente no futuro.

. Como foi o processo de gravação
das canções do novo disco? 
As gravações aconteceram aqui no Rio no estúdio Cia dos Técnicos,
praticamente “ao vivo”, inclusive a minha voz, foi uma energia que nem sei
descrever, foi maravilhoso. Tudo comandado pelo meu produtor André
Vasconcellos, posso passar dias falando da importância do André em tudo isso,
quando conversei pela primeira vez eu já sabia que era a pessoa certa pra me
dar a mão nesse processo, além de um produtor e músico muito experiente, ele
dedica carinho ao que faz e essas canções são muito especiais pra mim. Eu
precisava sentir esse cuidado e posso resumir dizendo que fiquei tão satisfeita
com o resultado que gravaria amanhã outro disco com ele.

. E as composições. Como foi o
processo para compor a música para novo álbum?
O álbum chama “Motivo” e é um EP com 5 canções autorais, as
primeiras 5 composições da minha vida. Comecei a compor logo que mudei pro Rio
(2012), a partir de 2013 passei a apresentá-las nos shows e fui testando a
aceitação do público. Eu demorei a
me assumir compositora, no início sentia muita vergonha de mostrar, canto
profissionalmente desde os 14 anos, eu me sentia segura como intérprete, como
“cantautora” o universo me assustava, principalmente porque minhas canções são muito
íntimas e me sentia sem proteção, desnuda. Essa metáfora de me sentir como se
estivesse nua no palco nas primeiras vezes que apresentei as músicas, colaborou
pra ideia da capa do disco.

. Como você vê o cenário musical
para musical brasileiro?
Eu vejo com muito otimismo, como artista independente eu tenho
domínio sobre a minha obra, possibilidade de distribuir nas maiores plataformas
digitais do mundo e até gratuitamente como tenho feito no meu site onde você
pode baixar o disco. Posso vender o disco físico e enviar pra todo o Brasil
através dos correios… A mídia e a divulgação pra um artista em tempos de
internet também é maravilhosa, temos mais espaços, mais trabalhos sendo
conhecidos e eu acredito que muita gente querendo consumir música nova. Em 1980,
isso que faço hoje com uma pequena equipe, só seria viável através de um
contrato com grande gravadora.
Além disso, eu acredito no fã e na qualidade da minha música que é
genuína. No mais é trabalho diário, nesse momento estou muito satisfeita com o resultado
deste primeiro disco autoral, quero espalhar essas cantorias e fazer com que
mais pessoas conheçam minhas canções.

. Você contou com um time de
grandes músicos no seu novo álbum, como: produção é de André Vasconcellos,
produtor musical e baixista, Marco Vasconcellos (violões e guitarra), Milton
Guedes (gaita), Thiago da Serrinha (percussão), Eduardo Farias (piano e
acordeon), Serginho Trombone (trombone) e André Vasconcellos (baixo). Como
surgiu a parceria com esses músicos?  O
que você admira no trabalho deles?
Nooossa esses músicos são incríveis! A parceria surgiu por
intermédio do André Vasconcellos que é produtor do disco, conheci o André
através do Lucas Tibúrcio, violonista que já me acompanha em shows há um
tempinho, ambos são de Brasília e moram no Rio. No trabalho de pré-produção eu
e o André conversamos muito sobre a escolha de cada pessoa que gravaria,
influências, a cara que queríamos que o som tivesse e o time foi formado
assim,  eu confiei totalmente nas
sugestões do André. Além da qualidade técnica e experiência absurda de cada um
deles, no estúdio o clima foi especial, eu ouço e consigo sentir a energia boa
de todos eles, todo mundo trabalhou com muito tesão e vontade de somar. Eu
canto rindo! Nunca foi tão fácil trabalhar! Ahh e ainda tem o Milton Guedes que
sou fã faz tempo, ele tocando gaita em “viajante” arrebatou meu coração!
Recentemente ele participou de um show meu como convidado e eu fiquei muito
emocionada de apresentar a música ao vivo. Realizei um sonho!
Ops…
Entrevista acabou? NÃO, queridos leitores!!! Vamos curtir um som da LILIAN? Dá
o play!

Gostaram?
O que vocês estão achando da cantora? Deixe seus comentários!
PRE-PA-RA
que amanhã teremos a segunda parte dessa entrevista incrível. Não percam!
Beijo,
@maahmusic

DEIXE SEU COMENTÁRIO