quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Entrevista exclusiva com a banda CLARK.


Olá, queridos leitores curiosos.
Tudo bem com vocês?

Hoje eu tenho uma novidade e uma indicação. Tudo especialmente para vocês, meus leitores que gosto tanto e que sempre estão aqui comigo.  Minha dica de hoje é a banda Clark, eles tocam música com do gênero rock  e do pop de guitarras, indie, cantado em português e inglês.
Foi no estúdio Coutada do Som que eles se prepararam, e gravou e misturou o álbum “Bipolar”. Este é um álbum fisicamente realizado num meio absolutamente rural, mas que gira à volta de estados emocionais antagónicos muitas vezes identificados e ligados à urbe ou aos subúrbios. São 10 temas (oito cantados em português e dois em inglês) entregues à criatividade.  Vem comigo conhecer um pouco mais sobre essa banda insana, banda Clark.


. Que honra termos a presença da banda Clark aqui no Maah Music. Contem antes de vocês formarem a banda, vocês já tocaram em outras bandas?
Nós é que temos um enorme prazer em poder dar a conhecer os Clark aos seguidores do Maah Music! Sim todos os elementos da banda haviam já passado por primeiras experiências noutras bandas, algumas delas imberbes, assim como primeiros arranques para o que é fazer música e estar na música mas que por um ou outro motivo  acabaram por não se impor. No entanto uma dessas primeiras experiências deu-se com uma banda de nome URB, ainda nos anos 80 e que levou à edição de 2 temas em coletâneas de música moderna portuguesa.

. Por quê Clark?
Na verdade, quando assinamos contrato com a editora EMI em 1997, a nossa primeira experiência editorial, passamo-nos a chamar “Inocentes”.  Na altura por decidirmos editar um disco exclusivamente cantado em português optamos igualmente por um nome português. Em 2000, talvez para cortar com a nossa passagem atribulada por essa editora e com a imagem a que a banda estava colada decidimos mudar para CLARK, jamais renegando o espólio de canções desenvolvidas enquanto “Inocentes”, mas de certa forma procurando algo com que a banda mais se identificasse e uma dessas coisas é o humor negro. Os Inocentes têm episódios realmente de humor negro ao longo da sua existência … por exemplo, ao pensarmos na Lei de Murphy que basicamente diz “se há probabilidades de acontecer algo de mau então vai acontecer de certeza” existe a Lei de Clark que ironiza dizendo que “Murphy é um otimista”. Esta é uma visão familiar para os CLARK.

. Por que a escolha em cantar em Português e inglês? 
Não há nenhuma razão especial para lá das de mera opção artística. No caso dos dois temas cantados em inglês eles nasceram assim e assim ficaram. Na verdade a nossa forma de expressão principal é em português por ser a nossa língua materna e por acreditarmos que isso nos pode diferenciar num estilo de música que gira á volta do indie pop rock, mas tal não nos impossibilita de fazer incursões a outras línguas.

. Qual a influencia que poderemos entrar no novo álbum de “Bipolar”?
O processo de criação nos Clark não é estanque nem tem uma disciplina dura. As canções nascem muitas vezes a partir de uma ideia/melodia que pode até ser gravada para um tlmv, ou de um pedaço de letra para desenvolvimento posterior. Depois na sala de ensaios desenvolvem-se essas ideias com um contributo de todos os elementos numa boa parte das vezes. Essas ideias podem mais ou menos inconscientemente surgir após o visionamento de um filme, a audição de uma música específica ou uma frase que escutamos na rua.
As nossas influências no que à música respeita são largas demais para as podermos incluir aqui. No entanto na área do pop rock e derivados se situam, com um acento mais próximo do que se convencionou chamar indie pop/rock, dream pop ou post punk por questões estéticas mas não se fechando por aí.

. Falando de influencias. Quais são as bandas ou músicos que vocês particularmente mais gostam de  escutar?
Poderemos adiantar alguns nomes que são referencias para a nossa musica mas provavelmente se respondessemos mais tarde diríamos outros. Aqui ficam então Kitchens of Distinction, Elbow, Doves, Suede, Radiohead, Joy Division, The Chameleons, Cocteau Twins, My Bloody Valentine, Horrors, Mercury Rev, Yeah Yeah Yeahs, etc.

. Como foi a escolha do repertorio do novo CD?
Nós partimos para estúdio com 14/15 temas ainda numa fase de pré-produção. De uma forma democrática mas acima de tudo com o contributo do produtor Nuno Roque, chegamos à escolha dos 10 temas que mais fizeram sentido para incluir no CD. A nossa ideia foi não ter temas para “encher” mas sim fazer com cada um deles como se de um single se tratasse, no qual cada um tivesse vida própria, contasse uma história diferente mas que não deixasse de funcionar como um todo da banda e deste cd em particular.

. Contem pra gente Clark: O rock morreu? Como vocês vêem o cenário musical para o gênero rock?
O rock não morre. O rock reinventa-se e até ver tem mostrado essa capacidade cada vez que ditam o seu fim, seja pela sonoridade, pela escrita, pela atitude ou pela provocação. Não tem idade e também por isso é tão excitante.

. No seu novo cd qual música vocês mais gosta de cantar ?
Pelo que dissemos atràs e porque cada música é quase como se fosse um filho é muito difícil fazer uma escolha. No entanto poderia adiantar que o tema “E.L.S.A. Essas lágrimas são ácidas” é um bom exemplo da sonoridade  e construção de temas dos Clark onde há um começo mais soft e melódico evoluindo para algo mais denso, forte e culminando poderoso.

.O disco está sendo positivamente comentado pelo público. Como está sendo pra vocês esse reconhecimento?
É sempre muito bom e gratificante um reconhecimento em termos emocionais e motivacionais e um impulso que nos leva a continuar a apostar nesta nossa atividade a que nos dedicamos com tanto empenho e prazer. Esse reconhecimento passa pelas manifestações nas redes sociais bem como no modo como o público se expressa nas nossas apresentações ao vivo. Sabe muito bem!

. Você tem muitos fãs. Como você lida com carinho do publico?
Nós temos um número considerável de fãs para uma banda que não tem uma exposição mediática tão grande assim, mas a nossa música faz parte da banda sonora de duas novelas portuguesas atualmente em exibição e isso nos leva a um universo bem maior de público (alias um tema nosso fez parte uma novela da globo emitida em Portugal há uns 15 anos atrás chamada “Meu bem querer” .
Os nossos fãs são por norma muito fieis talvez por a nossa música ser adulta e não muito imediata. Os Clark tentam sempre estar próximos do público. Não escolhemos a via do oculto. Gostamos da interação, da opinião e da crítica. Achamos que tudo nos ajuda a crescer e a fazer melhor enquanto banda. E o carinho do público é muito reconfortante em momentos menos bons que os há mas sobretudo pensar que fazemos parte da  vida das pessoas com a nossa música e canções é um prémio sem preço.

. Entrevista quase no final. Conte as próximas novidades e agenda de show?
Durante o ano de 2015 contamos entrar em estúdio para começar a gravar novos temas. Temos em agenda um concerto para o próximo dia 30 de Janeiro, na Fnac de Oeiras em Lisboa. Entretanto poderão seguir-nos em www.facebook.com/clarkoficial .

. Qual mensagem você deixa para os fãs e leitores do site?
Que escutem as canções dos Clark em www.youtube.com/clarkpt ou no canal Farol Música. O nosse mote é “…canções que mexem contigo…” .
Atrevam-se, sejam felizes e aproveitem o potencial de informação e conhecimento que o Maah Music vos proporciona.

Vamos parar com esse lero-lero e curtir o som da banda Clark? Dá o play moçada!! 



Gostaram? O que vocês acharam da entrevista com a banda? Deixe seus comentários!
Eu amei o som deles. Estou louca querendo ir para Portugal ou rezando pra eles fazer show no Brasil. Viu só pessoal, música boa tem em muitos lugares. Tô apaixonada pelo som da banda Clark.

Eu virei fã da banda e você também? Então, acompanhe todas as novidades da banda, acesse:



Amanhã tem mais novidades aqui. Beijo queridos leitores do Maah Music.
@maahmusic

Nenhum comentário:

Postar um comentário