segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Entrevista exclusiva com Digo Policiano.


Leitores musicais curiosos (as),
Muita música por aqui?

Você também fica com o coração quentinho quando descobre uma músico/banda que combina perfeitamente com o momento pelo qual está passando? Aquela melodia que te cativa facinho?  A letra da música que você entende perfeitamente o que o músico está falando? Tive a sorte gigante descobri o cantor Digo Policiano. É mergulhando de cabeça na vida e em suas infinitas possibilidades que Digo se inspira para compor. E foi assim que nasceu seu novo EP Fui Voar. Bom, tive a honra de conversa com o músico e saber mais sobre sua carreira, o novo EP e outras curiosidades.

Foto: Caio Paifer

Digo Policiano é uma honra ter sua presença no site. Queremos saber logo de cara. O que te inspira a compor? Como foi que você descobriu que você tinha esse talento?
Oi, Maah. Antes de tudo quero agradecer o convite pela entrevista. É sempre bom poder contar um pouco das entrelinhas da música. Valeu!!!
Entendo que o artista, sendo ele compositor de qualquer tipo de arte, acaba por encontrar em seus sentimentos e sensações a melhor forma entender a realidade e cria em cima dela, compondo e musicando no meu caso. Assim o que me inspira é o cotidiano, amor das diversas relações, dos sonhos sobre o futuro. No fim, acho que minhas letras passam por uma temática abrangente que eu chamo carinhosamente de “filosofia do cotidiano”.
Minha dificuldade em decorar letras conhecidas e falta de paciência em reproduzir as músicas da maneira que elas foram criadas, me levava sempre a tocar violão e cantar em temas livres, de maneira mais despretensiosa.  Em certo momento, depois de um período de introspecção e aprendizado pessoal, me dei conta de que eu podia compor. Foi uma alegria imensa. Compor me alivia, por isso eu vejo mais como um presente do que um talento rs.

Digo você viajou apara alguns lugares como África do Sul. Musicalmente falando, o que você achou do cenário musical dos lugares pra onde você viajou? Te ajudou de alguma forma como cantor e compositor?
A África do Sul, assim como o Brasil, tem uma cultura musical rica e bastante particular, frente aos ritmos africanos e da cultura negra. Mas apesar de admirar e ter expandido meus horizontes musicais ouvindo aquelas musicas, acho que em questão de estilo, ela influência muito pouco minha música. No entanto, minha experiência de vida lá com certeza foi determinante na construção da relação que eu tenho hoje com a musica, dos meus valores e crenças, que acabam refletindo nos temas das minhas composições.
Minhas maiores influências de estilo acho que são mesmo a Música Regional e de Raiz que fez parte da minha infância, a Nova MPB que descobri tempos depois, e por fim, do Pop internacional de maneira geral e também do Folk americano, dois estilos que acabei conhecendo melhor por meio de outras andanças por ai, conforme eu me familiarizava com o inglês.

. Você lançou a pouco tempo o EP “Fui Voar”. Entre o CD “Volta do Mundo” e o seu novo trabalho “Fui Voar”. Qual diferencial que os fãs podem perceber?
A diferença principal entre eles é o processo de gravação e o propósito de cada disco. “Volta do Mundo” nasceu quase que em um processo artesanal, minimalista, numa vertente acústica. Por vezes, aparecem em algumas canções instrumentos como acordeom, flauta transversal, saxofone e ukulele, mas o formato voz e violão é a base de tudo. Eu mesmo, capitei o áudio, arranjei e me arrisquei a produzi-lo, junto com o Felipe Castro, que foi quem mixou e fez a co-produção. O propósito desse disco foi registar as canções do momento de vida em que percebi que, de fato, eu nascia como compositor. Ele foi quase que em sua totalidade composto e gravado em Curitiba. Eu passava um momento de vida introspectivo, e incentivado pelas leituras do mestrado que eu cursava na época e das experiências de vida na cidade gelada. Então, por isso, mesmo que lançado ao público, ele acabou representando uma obra mais intimista, tanto pelas inspirações como também por a música não ser prioridade naquele momento.
Esse disco de agora, o “Fui Voar”, foi gravado com muito mais minúcia e profissionalismo. Eu tive um produtor, o Sergio Soffiatti, que me ajudou a lapidar minhas músicas. Isso deu muito mais clareza para as mensagens de cada música. A essência do compositor ali é a mesma, mas a temática é mais madura a medida que eu já tinha mais clareza de como me expressar musicalmente.
Tudo isso pra dizer que o propósito de “Fui Voar” saiu da esfera intimista e passou a fazer parte de um projeto musical mais amplo, meio que libertador também.

. Vamos falar sobre seu novo EP. Como foi o processo de composição das músicas? E o processo de gravação? O trabalho final ficou como você esperava?
Eu me surpreendi com o resultado final. Eu nunca tinha entrado em um estúdio profissional e nem mesmo tinha ouvido minhas músicas depois de terem sido gravadas por meio do mesmo processo de gravação que os artistas que me inspiravam faziam. Foi uma alegria imensa poder ver e ouvir o trabalho pronto. 
As músicas eu compus despretensiosamente, sem saber que delas sairia um novo EP. Eu só sabia que elas tinham uma relação de temática e de certa forma de estilo, devido a um momento que eu estava redescobrindo algumas formas de escrever e tocar. Acabou que elas se juntaram. A música “De Longe” fala de um amor livre, “Primeiro Trem” de um viver e sonhar livremente, “Amigo Sentidor” de um reencontro com a felicidade. Juntas, quando se é feliz, livre no amor, nos sonhos e na vida, só resta se entregar à sensação e VOAR, por isso o título FUI VOAR!

. Você lançou a pouco tempo o clipe “Amigo Sentidor”. Como foram as gravações?  Qual a mensagem que você quer passar através desse clipe? E por que você escolheu a música “Amigo Sentidor”?
Foto: Buiu Assis
Gravamos o clipe no Paraná, na Colônia de Witmarsum, uma colônia de Alemães, a 50Km de Curitiba. Tivemos sorte, porque fez um dia lindo de sol e a gente dependia disso. Os atores são na verdade não atores e grandes amigos meus. No fim, registramos um dia divertido e diferente, já que ninguém dali tinha encenado ou tido um contato tão próximo com uma ave de rapina, o Falcão Virgulino. Ele abrilhantou tudo. A mensagem do clipe é baseada nas surpresas da vida. Conta uma estória de superação, em que tristeza vira alegria plena. Apesar de se tratar de um EP de três musicas, eu considero a temática do disco bem clara. Sendo assim, por ser o que considero minha estreia musical, veio a calhar que todas as musicas ganharam clipes. Só falta lançar o de “Primeiro Trem”, que logo, logo chega.

. O EP e o novo clipe tiveram ótimas repercussões nas redes sociais, e você vem ganhado mais e mais admiradores da sua música. Como você ver a repercussão do seu trabalho? Está sendo como você esperava ou é uma surpresa ? Como você se sentir recebendo o carinho dos fãs?
Eu fiquei surpreso com a repercussão e tudo tem ajudado pra essas musicas alcancem mais pessoas, desde compartilhamentos, likes, curtidores e assinantes, como também da atenção da mídia. Eu tenho recebido muitas mensagens também, de pessoas que se sentiram tocadas pelas musicas, que dizem que as músicas acabam funcionando como trilha sonora da vida delas. Isso dá uma força imensa e me ajuda a seguir adiante. É um primeiro sinal das pessoas estarem se identificando com essa minha razão musical.

. Entrevista quase no final. Conte as próximas novidades e agenda de show?
Em breve o clipe de “Primeiro Trem” estreia, como também vou disponibilizar outras duas músicas gravadas em voz e violão no Live Session gravado no Museu do Trem em Jundiaí. Um desses acústicos é a própria música Primeiro Trem, a outra é uma de minhas ultimas composições, que fiz para meu querido irmão. =D
O EP, Fui Voar cairá na estrada muito em breve. Em 2014 já teremos dois shows. Um no dia 11/12, em Campinas e outro no dia 18/12 em Ribeirão preto. Ambos serão parte de uma Turnê pelo circuito Fnac.
É muito provável que aconteçam shows em algumas capitais, do Centro-Oeste, Sudeste e Sul também, como: Goiania, Brasilia, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre. As datas serão confirmadas em breve e serão divulgadas tanto no site quanto nas mídias sociais.

. Qual mensagem você deixam para os fãs e leitores do blog?
Agradeço a todos pela companhia nesse nosso voo. E sugiro e torço para que todos busquem voos cada vez mais altos e que aproveitem todo o trajeto e a vista linda de cada lugar lá do alto!!!

. Hoje você comanda o blog. Qual música você deixa para os leitores?
Aos que ainda não viram, deixo o clipe de Amigo Sentidor, pode ser? Um clipe sobre ser feliz e voar!

Dá o play! 



Gostaram? O que acharam do cantor Digo Policiano? Deixe seus comentários!

Primeiro quero agradecer á todos e principalmente ao cantor Digo. Virei fã depois de conhecer melhor seu trabalho. O EP de Digo Policiano vai alçar voos mais longos por aí! O músico paulista se prepara para as duas primeiras datas da turnê de pocket shows pela FNAC que vai rodar o Brasil. Fui Voar cai na estrada e as próximas paradas são no interior paulista. 11/12 em Campinas e 18/12 em Ribeirão Preto. É meus queridos leitores, eu sei que vocês também ficaram fã do cantor Digo Policiano. Então, faça como eu. Acompanhe as novidades sobre a carreira dele, é só acessa: 

Foto: Caio Paifer


E por hoje é só meus queridos leitores, amanhã tem muito mais.
Beijo,
@maahmusic

Nenhum comentário:

Postar um comentário