segunda-feira, 19 de maio de 2014

Nos bastidores da Chilli Beans Flagship.


Olá, queridos leitores curiosos.
Tudo bem com vocês?

Na noite de sábado, dia 17 de maio, rolou um evento muito importante na loja da Chilli Beans Flagship. Tive a honra de ir à exposição do “Projeto Futebol pela Paz”, da ONG Non Violence Project, e também o lançamento da nova coleção da Chilli Beans, Manto Sagrado.


Além da exposição dos produtos, a marca anuncia uma parceria com a Non Violence Project. A ONG sem fins lucrativos foi criada em 1993 pela artista plástica Yoko Ono, ex-mulher de John Lennon, e trabalha promovendo a não violência através da educação e do esporte. No segundo andar da loja, abrigará durante quase um mês, uma exposição inédita intitulada "Futebol Pela Paz" com o símbolo da NVP, a arma atada. Artistas plásticos, músicos e celebridades de todo o mundo fizeram obras de arte com essas armas que nunca atiram.


No evento, esteve presente o diretor executivo da NVP, Markus Schruf, que discursou à imprensa e aos convidados. Ele falou sobre a importância do projeto, que busca inspirar, motivar e envolver os jovens em um movimento mundial para reduzir a violência, e apresentou duas novas embaixadoras da ONG, as modelos Nathalie Edenburg e Augusta Lucchini, que também fizeram obras de arte nas armas.


Markus finalizou reforçando a importância da parceria com a Chilli Beans e disse que a loja doará parte da renda gerada com a venda dos produtos da coleção "Manto Sagrado" para a Non Violence.

Logo de cara, perguntei como surgiu a oportunidade de fazer parte do projeto e Derrick disse que foi conversando com chefe da NON Brasil. Quando soube da ONG, ele achou o trabalho muito interessante e foi logo chamado para participar. O projeto chamou muita atenção por ser diferente e social e o cantor acha muito importante que artistas famosos façam parte de campanhas para ajudar a sociedade.

Outra pergunta foi referente a confusões e brigas em shows de rock, que são comuns em determinados públicos:
Com o Sepultura, você já presenciou uma cena de violência nos seus shows? 
BMM: Há alguma coisa que você faça para evitar esse tipo de acontecimento?  
Derrick: Sim, existe violência em shows, mas nos shows de metal acontece menos. Sempre vejo muita violência em shows que tem arma, como no funk carioca, essas coisas de merda. (risos no geral). No show de metal não é assim, quando o nosso público vai ao show, eles querem assistir a banda e são mais de boa. Mas quando tem alguma movimentação estranha no show do Sepultura, eu já paro de cantar e digo que, se tive briga, não tem show.
BMM: Você é um homem que gosta de estar na moda e usar acessórios? 
Derrick: Eu gosto de moda sim, mas sempre tive estilo skatista. Faz 14 anos que me visto assim e sou mais básico. O importante mesmo é a atitude das pessoas. A pessoa pode ser vestir tosca ou horrível, mas o importante é ela se sentir bem. 

Depois da entrevista com Derrick, falei com a modelo Nathalie Edenburg. Também perguntei para ela como conheceu o projeto e o que chamou atenção dela para participar. Nathalie disse que quem a convidou para participar desse projeto foi seu amigo Derrick  e o que mais chamou atenção foi o projeto em si.
BMM: O que você acha das manifestações referentes à Copa? Você concorda?
Nathalie: Não sei se eu concordo contra a Copa, mas acho que o Brasil tem que se mover sim e tem que ter alguém que fale ou nunca irá mudar. Sobre a Copa, infelizmente não vou poder ir aos jogos, porque estarei em Nova Iorque. Gostaria de ir, mas vou ver pela TV mesmo.
BMM: Quais são seus próximos projetos profissionais?
Nathalie: Semana que vem, estou indo para Cannes. Vou participar de um evento beneficente contra a AIDS e, quando voltar, fico mais três dias no Brasil e depois vou para Nova Iorque.

Com depoimentos de Derrick e Nathalie em mãos, ficou faltando falar com a outra embaixadora presente no evento. Fui bater um papo rápido com Augusta Lucchini. A modelo disse que ficou muito interessada pelo projeto e que também foi convidada por Derrick para participar. Ela aceitou a proposta logo de cara. Aproveitando a temática da exposição do “Futebol Pela Paz”, também perguntei sua opinião sobre as manifestações e Augusta foi enfática: disse que acha certo sim, já que o dinheiro usado para a copa poderia ser usado em outras necessidades do Brasil.

BMM: Você participou com a arte de uma das estátuas das armas que estão expostas. Você já desenhava antes, como foi a experiência para você?
Augusta: Na verdade, eu pinto desde criança. Tenho o meu atelier em casa e sempre que estou inspirada vou lá fazer um quadro. Fiz o trabalho com muito carinho porque achei incrível.
BMM: Qual o significado do seu desenho para o projeto da Non Violence?
Augusta: A arma que eu desenhei tem o significado da união das raças. Eu coloquei duas crianças de raças diferentes em um balanço, que significa a liberdade. Foi o que eu coloquei na minha arma atada, que é o símbolo do Non Violence. 

No comando das pickups, os DJs Ron, Rafael Bornold e Luis Chaves, animaram a Flagship Store com o projeto atHouse.


O evento lotou e foi muito legal. Acho bacana quando pessoas famosas se juntam para fazer algo pelo bem da sociedade. Precisamos de mais pessoas se preocupado com a fome, educação etc. Parabéns para todos os envolvidos.

E vocês, gostaram? O que vocês acham de famosos que participam de projetos sociais? Deixem seus comentários!

Eu fico por aqui. Amanhã tem entrevista com uma banda que já passou pelo blog, hein? Não percam!

Beijo,
@maahmusic
Revisão: Renan Oliveira


Nenhum comentário:

Postar um comentário