Olá,
leitores queridos.
Tudo
bem com vocês?
Hoje
teremos a presença especial da banda The Outside Dog. Eles já estiveram aqui no
blog e estão de volta com uma entrevista insana para vocês.
Vamos
conferir todas as curiosidades da banda. 

É uma honra ter a banda The Outside Dog aqui no blog Maah Music. Contem
para o nós como a banda começou. Antes de serem músicos, vocês sonhavam em ter
uma carreira e trabalhar com música?
Rafael Elfe: Então, ainda sonhamos e muito em viver só de
música!
Mateus Polati: Primeiramente, gostaria de agradecer a
oportunidade de ter essa troca, estamos sempre muito honrados de receber este
carinho e atenção com o nosso trabalho.
O projeto Outside Dog foi iniciado por nosso
querido vocalista Pedro Gama, em 2011. Na época, era mais um projeto solo do
que uma “banda” e ele gravou o primeiro disco junto com o André
Sanches (baixista). Logo depois do lançamento, o Ciro tomou conta das gaitas.
Entrei no projeto em 2012 junto com o Elfe e hoje o bando está formado!
. Quando vocês começaram a banda, qual foi a maior dificuldade?
Rafael Elfe: Muitas… E acredito que as enfrentamos até hoje.
Só mudam de nome.
Mateus Polati: Começar a banda!!! A maior dificuldade que a
Outside teve foi estabelecer a fundação, entrelaçar nossos objetivos de vida e
criar a unidade!
. Curiosidade de fã. Porque o nome The Outside Dog? Qual é significado
do nome?
Rafael Elfe: O termo “The Outside Dog” foi pinçado do
clássico de Jack London, “The Call of the Wild”.
O romance
narra as aventuras de Buck, o privilegiado cão doméstico de uma família
californiana. Em meio à febre do ouro, Buck é roubado de seu ambiente e
contrabandeado para o Alasca. No caminho, sofre uma série de maus-tratos, até
que encontra refúgio em uma irmandade de cães e, assim como os corajosos
garimpeiros, vê-se na necessidade de se adaptar à vida selvagem. Buck entra em
contato com sua natureza primitiva, em uma jornada de autoconhecimento, e
redescobre seus instintos.
Mateus Polati: Exato!!!
. Vocês têm um som totalmente diferenciado do rock alternativo. Vocês
acham que esse é o grande diferencial de vocês em relação às outras bandas?
Rafael Elfe: Eu vejo a diferença muito subjetivamente. Se
fazemos algo com um grau de honestidade, naturalmente alcançamos uma voz particular.
E é isso que importa. Seja qual for o suporte, ser honesto já diferencia você.
Mateus Polati: O som representa uma experiência de vida, em
unificação a outras experiências, o que gera uma bela conversação entre seres
musicais. O que pesa mais no final das contas não é o que você escuta ou estuda
musicalmente falando, mas o respeito e honestidade que dá ao seu trabalho.
. Eu adoro as letras das músicas de vocês. Quem compõe as canções? Qual
é a inspiração usada para compor as letras e melodias?
Rafael Elfe: Antes do lançamento do EP, as letras eram todas
compostas pelo Pedro. Atualmente estamos dividindo (letras e composições) e já
começamos a compor coisas em parceria. As letras falam de coisas que vivemos.
Cada música tem uma história específica. Nossa preocupação é deixar a mensagem
aberta pra uma compreensão bem singular de cada um que ouça.
. Eu estou sabendo que os fãs crescem cada vez mais pela música de
qualidade e o talento de vocês. Contem como é a relação de fãs com a banda.
Rafael Elfe: Além de compor e tocar ao vivo, essas pontes que
criamos com as pessoas são um dos grandes motivos de se ter uma banda. Viajar,
conhecer pessoas e lugares… E tudo isso movido à música! O que vier disso,
como esse tal crescimento que você mencionou, é consequência desse caminho.
Mateus Polati: Tenho muito respeito e gratidão pelo que é
apresentado. O que talvez os “fãs” não saibam é o papel fundamental
de proximidade que eles trazem para nosso trabalho. A grande roda gira porque
existe essa troca.
. Vocês acham que tem oportunidade para todas as bandas no Brasil ou
isso é uma grande imagem, pois tudo depende de som e outras coisas?
Rafael Elfe: Não só no Brasil, mas em qualquer sociedade
baseada no consumo, fazer música deve ser um desafio. Até onde podemos ir? Até
onde é arte? Até onde é produto? São questões diárias. E todas as sociedades
baseadas em consumo são de alguma forma injustas. É o jogo…
 
. Quais são as próximas novidades que podemos esperar da banda?
 Rafael Elfe: Ainda estamos vivendo uma grande novidade!
Lançamos nosso EP, o “Outros Caminhos”, que é a primeira parte do
nosso álbum. O que podemos dizer é que temos muita coisa por fazer e produzir.
Clipe, shows, músicas novas… Aguardem!
. Qual o recado que vocês deixam para galera do blog e os fãs?
Rafael Elfe: “Mantenham as mãos limpas e aprendam o
delírio com coisas reais!”.
Mateus Polati: “Colhemos o que plantamos”.
. Antes de irem embora, qual música vocês dedicam para a galera do blog
Maah Music?
Rafael Elfe: Ah, ouçam o EP inteiro! Tem uma historinha lá
sendo contada… Do início ao fim. Quem se abrir para ouvir vai entender… 🙂
Mateus Polati: Eu vou dedicar uma música que, sempre que escuto,
desperta uma gratidão pela vida. Mike Stern – What you Believe. Com Richard
Bona no contrabaixo, voz e Dennis Chambers na Bateria fazendo uma cama.

 


Se
vocês gostaram assim como eu, então acompanhem a banda nas redes sociais.

Saibam
mais sobre o The Outside Dog:

 

Amanhã
tem espaço showlivre.com Especial. Não percam!
Beijo,
@maahmusic
Revisão:
Renan Oliveira

1 Comentário

  1. boas perguntas encaminham boas respostas, parabéns pela entrevista, ótimo saber que temos musica sensível e inteligente de volta, parabéns ao The Outside Dog, completamente Inside.

Deixe seu Comentário