Olá, queridos
leitores.
Hoje temos entrevista
com a banda Nohaw, que já passou por aqui como dica. Então venham com a Maah
Music conferir essa entrevista especial. 

. Como foi o início de vocês, como se conheceram e como começaram a
banda?
Guss – Somos a antiga Banda “The Trut’s”. Após mudanças
na formação e muitas novas ideias, resolvemos mudar de nome e assim surgiu o
Nohaw.
Ale – Eu conheci cada um em lugares
e épocas diferentes e fiz o convite para entrarem na banda, com exceção do
Cidão que foi indicação do antigo vocalista. O Guss fez faculdade com meu
irmão, encontrei o Wells perdido em uma comunidade no Orkut e conheci o Dú e o
Japa através da faculdade –  nos formamos
no mesmo curso.
. Acho que é uma dúvida de muitos fãs de vocês, então digam para o Blog
Maah Music: como surgiu o nome da banda? E por que Nohaw?
Dú – Surgiu por acaso, em uma ligação que eu estava com
o Ale, pensando em um novo nome para a banda. Eu sugeri esse nome e o Ale achou
interessante, então passamos para todos da banda, que concordaram de primeira.
A parada rolou naturalmente e está ai firme e forte.
Ale – Nohaw vem da expressão em inglês “Know How”, que
significa “Saber como”, usado para falar que certa pessoa tem bastante
conhecimento, experiência em determinado assunto. Nós buscávamos um nome que
remetesse à força desses quatro anos que a banda seguiu como The Trut’s, e para
dizer sobre essa experiência e bagagem adquirida, então achamos esse um nome
forte e interessante.
. Quem compõe as músicas? E quais são as influências de músicas para
composições?
Dú – Grande parte do CD foi composta por um amigo nosso,
Raphael Coraccini. Mas o Ale e eu também criamos boa parte; eu mais na
composição das letras e ele na criação das melodias e arranjos.
Guss – Temos outro parceiro no CD, que é o Rodrigo
Freesom. No final, todos os integrantes jogam o seu tempero e assim gravamos as
músicas.
Ale – Sobre influências e inspirações, são várias; o cotidiano,
o background de cada um, o jeito de analisar o mundo, a sociedade, histórias
que já vivenciaram ou que presenciaram, reflexões que tem sobre a vida, sobre
uma perda, uma amizade, um amor, enfim. Há muitos temas para serem trabalhados
e as inspirações vêm do nada, do momento em que a pessoa se encontra, o que
está pensando, sentindo, o que quer falar.
Dú – Depois de uma letra criada, não rotulamos um
estilo, se vai ser Rock, se vai ser Reggae, se vai ser Pop, se vai ser acústica.
Tudo tem que ser natural, trabalhar a música sem ficar preso a nada, o que tiver
que sair vai sair.
Japa – É claro que temos um estilo, bandas que nos
influenciam no geral, as que influenciaram cada integrante, mas isso já vem de
dentro, o que faz com que não saia uma música com um estilo totalmente
diferente da nossa proposta.
. Falando em composições de músicas, qual é a mensagem que vocês querem
passar para o público?
Ale – Mensagens positivas, reflexivas, de
conscientização. Histórias que as pessoas se identifiquem, que já passaram,
conhecem alguém que já passou ou estão passando. Temas que fazem as pessoas
pensarem, refletirem, discutirem e criarem um ponto de vista em cima. Fazerem a
sua própria interpretação.
. Qual foi o maior show e um dos momentos mais inesquecível da banda?
Japa – Acredito que o maior show da Nohaw, foi o que fizemos
em Praia Grande, na abertura para o Charlie Brown Jr. Foi o mais completo, em
questão de grande público, agitação, aceitação, o retorno da galera, estrutura
de palco, som e luz e ainda com essa responsabilidade e o grande prazer de
abrir para uma das maiores bandas do Rock Nacional.
Guss – Lembro também de dois shows muito marcantes e
empolgantes. Abertura do show do Rappa em Bertioga em 2009 e a noite mágica em
2011, onde fomos o Big Mountain por um dia, um show inteiro tocando as músicas
dos caras, junto com os dois verdadeiros vocais da banda, os irmãos Quino e
James. O show foi no extinto Fidalga 33, uma festa fechada só para convidados.
Ale – Concordo com o Guss, tocar com o Big Mountain foi
surreal! E citando esse show, lembrei-me de um momento inesquecível para mim,
que me levou a uma emoção extrema. Foi a primeira vez que eu ouvi a voz do
Quino (Big Mountain) na música “O Mensageiro”. Era só um teste com um minuto,
mas foi marcante e sem explicação.  Essa
música que citei faz parte do nosso álbum “Do outro lado do muro” e teve a
participação especial do vocalista do Big Mountain.
Guss – Um músico tão consagrado, que teve sua música como
tema de filme de Hollywood e tema de novela da Rede Globo abençoar um trabalho
totalmente independente de uma banda nova de outro país realmente não tem
preço!
Cidão – Sem esquecer que recentemente estreamos na 89 FM
A Rádio Rock. Um marco muito especial em nossa carreira.
Dú – Fomos para a casa do Ale ouvir junto esse grande
momento muito emocionante para nós. Foi FODA!!
Wells – Um sonho realizado! Uma rádio marcante para todos
nós e ficamos extremamente felizes por esse retorno como A Rádio Rock. Estamos
ligados 24hs por dia, e em um mês da rádio no ar, já ter rolado Nohaw foi
sensacional.
. Vocês vêm
conquistando fãs e mais fãs. Como é ver esse carinho reconhecido?
Ale – Eu costumo dizer para as pessoas que nós nem gostamos muito de
usar esse termo de fã, porque acreditamos que são pessoas como nós e que a vida
nos colocou em contato através da arte, através da música. De qualquer forma,
esse carinho é muito especial. Um fruto de todo um trabalho. Só nós sabemos o
quanto nós nos desgastamos, de quanta coisa abrimos mão, perdemos dinheiro,
tempo, mas o amor à música é maior ainda e ter esse retorno para nós é muito
gratificante, é ver que estamos no caminho certo.
Japa – O mais importante é ver que toda essa correria vale a pena, que
tem pessoas que se preocupam e que gostam do que fazemos, que se identificam
com o que estamos tocando e cantando.
. Quais as influências
musicais da banda?
Guss – Cada um tem a sua influência, é complicado falar. Hoje ouvimos
muito uma coisa, amanhã outra e assim vai, sempre adquirindo novas influências
e referências.
Japa – Sobre estilos, a base é essa: o bom e velho Rock’n Roll e suas
vertentes, com pitadas de Reggae, Ska, Surf Music até MPB, Samba, Forró… Acho
que é bom experimentar e misturar para ver no que vai dar.
Cidão – Sobre as bandas que nos influenciaram e que no geral agradam a
todos e nos inspiram de alguma forma, são O Rappa, Charlie Brown Jr., Sublime,
Natiruts, Skank, Incubus, Red Hot, Pearl Jam, Foo Fighters, Paralamas, Bob
Marley, entre outras.
. Vocês estão
crescendo cada vez mais no cenário musical, ao mesmo tempo em que surgem mais
bandas novas. Vocês têm medo dessas novas concorrências de alguma forma?
Ale – Com certeza não. Cada um tem seu espaço e há lugar para todas
as bandas. Quanto mais bandas de qualidade aparecer no Brasil, é melhor, pois o
público só tem a ganhar. As bandas não têm que pensar em concorrência e sim em
se juntar, fazer a cena e se abraçarem para cada vez mais fazer a parada
acontecer, tentar se livrar dos grandes sanguessugas que encontramos por aí.
. Entrevista quase
chegando ao fim, contem para a gente do Blog Maah Music quais são as próximas
novidades que podemos esperar da banda.
Dú – Em breve lançaremos o nosso novo vídeo clipe, a música-tema do
CD “Do Outro Lado Do Muro”. Um clipe muito bem dirigido pela Ritmo Visual
Filmes e com a presença do ator Jorge Mesquita e da atriz Ana Carolina Ramos.
Um ótimo roteiro, envolvente e com boa mensagem para passar. Acredito que a
galera vai gostar, estamos ansiosos para lançar logo esse trabalho.
Guss – Estamos apostando nesse
clipe, e também em nossas parcerias com algumas bandas consagradas do rock
nacional, onde sempre que possível temos a oportunidade de abrir o show e assim
divulgar nosso trabalho para um grande número de pessoas.
. Antes de terminar
a entrevista, não podemos deixar de perguntar: qual recadinho vocês deixam para
os fãs? E qual música vocês dedicam para a galera no Blog?
NOHAW – Galera, agradecemos vocês por tudo, obrigado por
compartilharem desse sonho com a gente e estamos juntos até o fim nessa
caminhada. É noissss famíliaaaaaa!!!
(SIC).

E como já falamos do
videoclipe, dedicamos a toda a galera do blog da Maah Music a música “Do outro
lado do muro”. Valeu Mah e todos que acompanham o blog. VIVA O ROCK NACIONAL!
  



É isso aí, viva o rock nacional! O blog Maah
Music acredita no trabalho das bandas e músicos que mostramos aqui, então vamos
sempre ter esse espaço para as bandas que não estão tão espostas na mídia.
Querem conhecer mais sobre a banda? É bem
simples: 

Acessem:
Espero
que tenham gostado e amanhã tem muito mais aqui no blog.
Beijo,
@maahmusic
Revisão:
Renan Oliveira

 

9 Comments

  1. Adoro bandas daqui da nossa terra, precisamos valorizar mais o que é nosso, adorei a entrevista, tem estilo, são humildes e talentosos, rock nacional é isso! beeijinhoos Maaah, ainda matando a saudade do seu cantinho 🙂

  2. Maah, bacana a entrevista 😀
    Tenha uma ótima sexta querida!!!
    Beijos,

    lolaporlola.blogspot.com

    Instagram: stephanieparizi

    Ps: meninas, venham participar do sorteio que está no ar. Duas sortudas levarão para casa prêmios Victoria´s Secret!!

Reply To sammy rothschild Cancel Reply